A 
   que falta
O triste cenário das pessoas desaparecidas no Brasil
parte
O desaparecimento de entes queridos é uma realidade para milhares de famílias no Brasil e no mundo. Entenda mais sobre o tema e o trabalho do CICV.
O desaparecimento de entes queridos é uma realidade para milhares de famílias no Brasil e no mundo. Entenda mais sobre o tema e o trabalho do CICV.
 
2007
786.071*
2017

Foi o número de registros de desaparecidos no Brasil entre 2007 e 2017

A busca incessante pela pessoa desaparecida e o fato de não saber se seus familiares estão vivos ou mortos pode trazer consequências sérias para os envolvidos, familiares e amigos. Aliviar esse sofrimento é uma das prioridades do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) no mundo.

82.684

Notificações de pessoas desaparecidas
no Brasil apenas em *2017

* Dados extraídos dos anuários publicados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) em 2017 e 2018.

 

“Não saber o que aconteceu e ter informações incompletas é injusto.Queremos completar esse quebra-cabeça. Não é vingança, mas é a história de uma pessoa que precisa ser encerrada.”

ENTENDA

pessoas
desaparecidas:
quem são?

Pessoas desaparecidas são indivíduos sobre os quais as suas famílias não têm notícias e/ou alguém que, com base em informação confiável, que foi dado como desaparecido. As circunstâncias do desaparecimento podem ser diversas: um conflito armado – internacional ou não internacional – outras formas de violência, distúrbios internos, desastres naturais, migração entre outras. O desaparecimento de pessoas está muito mais próximo do que imaginamos e as circunstâncias vão além dos estereótipos, transcendendo realidades políticas, sociais e econômicas. A pesquisa feita pelo FBSP/Datafolha em 2017 mostra que 17% dos brasileiros têm algum amigo, parente ou conhecido desaparecido.

a dor das famílias

o que muda
na vida dos
familiares após um
desaparecimento?

A pessoa que desaparece é a primeira vítima. Mas essa tragédia também afeta muitas outras vidas. Os familiares de uma pessoa desaparecida geralmente não descansam até saber a sorte e o paradeiro do seu ente querido – se é que chegam a saber. O seu pesar pela perda e pela falta de notícias é agravado por outras dificuldades, como privações econômicas e trâmites burocráticos. As famílias das pessoas desaparecidas têm necessidades específicas, múltiplas e interconectadas e, enquanto elas não são satisfeitas, as famílias muito dificilmente conseguem reconstruir as suas vidas.

Como as famílias
de desaparecidos
são afetadas?

Passam a lidar com procedimentos administrativos e judiciais sobre o desaparecimento e recebem pouca orientação e ajuda.
Precisam, muitas vezes, assumir papéis que eram exercidos pela pessoa desaparecida, como as despesas da casa ou a responsabilidade por menores.
Arriscam-se e investem os seus - muitas vezes escassos- recursos para fazer buscas por conta própria para encontrar os seus entes queridos.
Sofrem com o afastamento de parentes e amigos, que não compreendem ou não conseguem acompanhar as atividades de busca e a angústia que ela gera a médio e longo prazos.
O estado de angústia, expectativa e dúvida constante desencadeia quadros de sofrimento psicológico e adoecimento físico, muitas vezes graves.
 
o trabalho do cicv

ações
práticas,
sensibilização
e acolhimento

No Brasil, o CICV acompanha os familiares de pessoas desaparecidas, a fim de compreender suas necessidades. Conjugando o conhecimento da realidade local com a experiência global, são feitas recomendações às autoridades brasileiras. Também são oferecidas capacitações em diferentes áreas, trabalhando em conjunto com autoridades e com a sociedade civil para auxiliar na melhora das respostas dadas aos familiares e na busca de pessoas desaparecidas.

No mundo inteiro, o CICV trabalha pela implementação da Convenção Internacional para a Proteção de Todas as Pessoas contra os Desaparecimentos Forçados e pela adoção de um conceito de desaparecimento que vá além da desaparição ocasionada por ações estatais. Dessa maneira, acredita que os mecanismos para a busca de pessoas desaparecidas e a atenção às suas famílias poderão responder ao sofrimento humanitário às necessidades comuns aque atinge todos os casos, independentemente das circunstâncias.

Necessidades de familiares
de desaparecidos durante o regime militar

O CICV entrevistou 58 familiares de 32 pessoas desaparecidas durante o regime militar no Brasil para entender suas necessidades. O resultado pode ser visto na publicação Naquela mesa está faltando ele.

Baixe o PDF

Principais necessidades apontadas por familiares dos desaparecidos buscados na "Vala de Perus":

 
 

recomendações CICV

"O desaparecimento é uma morte que não conclui. É uma morte continuada."

- filho de pessoa desaparecida

recomendações às autoridades

Com a experiência no trabalho com familiares de pessoas desaparecidas no mundo e, especificamente, com os familiares de desaparecidos durante o regime militar no Brasil, o CICV chegou a uma série de recomendações às autoridades brasileiras, a fim de colocar o tema de pessoas desaparecidas em discussão e melhorar o suporte dado aos familiares envolvidos nesses casos. Atualmente, uma avaliação de necessidades de familiares de pessoas desaparecidas em outras circunstâncias está sendo feita em São Paulo.

1. Cumprir com a obrigação de esclarecer o destino e o paradeiro das pessoas desaparecidas e respeitar o "Direito de Saber" dos familiares.

1. Cumprir com a obrigação de esclarecer o destino e o paradeiro das pessoas desaparecidas e respeitar o "Direito de Saber" dos familiares.

2. Estabelecer um mecanismo nacional para tratar do tema de pessoas desaparecidas e dos seus familiares, que deve liderar e coordenar iniciativas, centralizar e compartilhar informações em relação às pessoas desaparecidas no Brasil.

2. Estabelecer um mecanismo nacional para tratar do tema de pessoas desaparecidas e dos seus familiares, que deve liderar e coordenar iniciativas, centralizar e compartilhar informações em relação às pessoas desaparecidas no Brasil.

3. Realizar uma reforma legislativa para definir de forma clara o status jurídico da pessoa desaparecida, bem como os direitos dos familiares das pessoas desaparecidas a política de atenção às suas necessidades (de modo que possam resolver problemas legais ou administrativos relacionados ao desaparecimento).

3. Realizar uma reforma legislativa para definir de forma clara o status jurídico da pessoa desaparecida, bem como os direitos dos familiares das pessoas desaparecidas a política de atenção às suas necessidades (de modo que possam resolver problemas legais ou administrativos relacionados ao desaparecimento).

4. Criar política pública de atenção psicológica e psicossocial, com uma rede nacional de profissionais capacitados, de modo a responder essas necessidades dos familiares de pessoas desaparecidas.

4. Criar política pública de atenção psicológica e psicossocial, com uma rede nacional de profissionais capacitados, de modo a responder essas necessidades dos familiares de pessoas desaparecidas.

5. Promover coordenação interinstitucional eficiente capaz de realizar uma gestão de dados centralizada e estandardizada sobre pessoas desaparecidas e pessoas falecidas não identificadas ou não reclamadas, assim como uma melhor gestão dos restos mortais não identificados e não reclamados de acordo com padrões internacionais.

5. Promover coordenação interinstitucional eficiente capaz de realizar uma gestão de dados centralizada e estandardizada sobre pessoas desaparecidas e pessoas falecidas não identificadas ou não reclamadas, assim como uma melhor gestão dos restos mortais não identificados e não reclamados de acordo com padrões internacionais.

Em 2017, o programa do CICV relativo a desaparecidos
realizou as seguintes atividades no mundo todo:

800
Crianças foram reunidas com as suas famílias.

7.227
Famílias com entes queridos desaparecidos receberam apoio psicológico e psicossocial em 17 países.

777.261
Ligações por telefone ou vídeo foram facilitadas entre famílias.

35.274
detidos foram visitados e monitorados individualmente.

75
países no mundo todo tiveram serviços forenses prestados.

21
Estados foram assessorados para elaborar leis e medidas nacionais relativas às pessoas desaparecidas e suas famílias.

99.342
pedidos de busca ainda abertos em 85 até o final de 2017.

33.567
novos pedidos de busca abertos em 2017 em 79 contextos.